top of page
259779212_4643310722402018_8474707432126109643_n.jpg

T
ER
RA

AGRICULTURA CONSERVATIVA

Paladar Consciente

uma tendência irreversível

Hoje não é possível mais falar de excelência na produção de cafés sem falar de sustentabilidade e conservação. E a preocupação com a geração de resíduos e o solo passam por esse compromisso. 

Pensando nisso, a Latitudes Brazilian Coffees, em parceria com o renomado Engenheiro Agrônomo Alessandro Guieiro, tem uma linha especial, chamada TERRA, para celebrar os cafés que acreditam na cafeicultura conservativa. 

Hoje contamos com cafés de quatro origens diferentes que são produzidos dentro da cartilha conservativa.
 

Logo

A Latitudes Brazilian Coffees adota, com estas fazendas parceiras, os princípios da Agricultura Conservativa (mínimo distúrbio do solo, cobertura permanente do solo e rotação de culturas), que são universalmente aplicáveis ​​em todas as paisagens agrícolas e sistemas de cultivo.

 

Promovemos cafés de 4 fazendas que acreditam na Agricultura de Conservação (AC). 

Os princípios da AC são universalmente aplicáveis ​​a todas as paisagens agrícolas e usos da terra com práticas adaptadas localmente. As intervenções no solo, como a perturbação mecânica, são reduzidas ao mínimo absoluto ou evitadas e os insumos externos, como agroquímicos e nutrientes vegetais de origem mineral ou orgânica, são aplicados de maneira otimizada e em formas e quantidades que não interferem ou interrompem os processos biológicos.

A Agricultura de Conservação é baseada em três principais princípios adaptados para refletir as condições e necessidades locais e a Latitudes Coffeesincentiva:

Perturbação mecânica mínima do solo:

Minimumm echanical soil disturbance

A perturbação mínima do solo refere-se ao plantio direto de baixa perturbação e à semeadura direta. A área perturbada deve ter menos de 15 cm de largura ou menos de 25% da área cultivada (o que for menor). Não deve haver lavoura periódica que perturbe uma área maior do que os limites mencionados. A lavoura em faixa é permitida se a área perturbada for menor que os limites estabelecidos.

Cobertura orgânica permanente do solo:

Permanent soil organic cover

Três categorias são distinguidas: 30-60%, >60-90% e >90% de cobertura do solo, medida imediatamente após a operação de semeadura direta. Área com menos de 30% de cobertura não é considerada AC.

Diversificação de espécies:

Species diversification

A rotação/associação deve envolver pelo menos 3 espécies de culturas diferentes.

Por que a Latitudes Brazilian Cofffees o suporta?

Um terço dos solos do planeta, aproximadamente, estão degradados. Em muitos países, a produção agrícola intensiva esgotou os solos, a ponto de comprometer a produção futura nessas áreas. Solos saudáveis são fundamentais para o desenvolvimento de sistemas sustentáveis de produção agrícola que sejam resilientes aos efeitos das mudanças climáticas. Eles contêm uma comunidade diversificada de organismos que ajudam a controlar doenças de plantas, populações de insetos e ervas daninhas; reciclar nutrientes do solo; e melhorar a estrutura do solo com efeitos positivos na capacidade de retenção de água, retenção e fornecimento de nutrientes e níveis de carbono orgânico.

A agricultura de conservação é 20 a 50% menos intensiva em mão-de-obra e, portanto, contribui para reduzir as emissões de gases de efeito estufa por meio de menores insumos de energia e melhor eficiência no uso de nutrientes. Ao mesmo tempo, estabiliza e protege o solo da quebra e liberação de carbono para a atmosfera.

A Agricultura de Conservação oferece uma série de vantagens em nível global, regional, local e agrícola:

  • Sustentabilidade.Ele fornece um sistema de produção verdadeiramente sustentável, não apenas conservando, mas também aprimorando os recursos naturais e aumentando a variedade de biota, fauna e flora do solo (incluindo vida selvagem) em sistemas de produção agrícola sem sacrificar os rendimentos em altos níveis de produção.

  • Biodiversidade aprimorada.AC depende de processos biológicos para funcionar; aumenta a biodiversidade em um sistema de produção agrícola em nível micro e macro.

  • Sequestro de carbono.Os campos de plantio direto atuam como sumidouros de CO2 e a agricultura de conservação aplicada em escala global pode fornecer uma grande contribuição para controlar a poluição do ar em geral e o aquecimento global em particular. Os agricultores que aplicam essa prática podem eventualmente ser recompensados com créditos de carbono.

  • Economia de mão de obra.A lavoura do solo é, entre todas as operações agrícolas, a que mais consome energia e, portanto, na agricultura mecanizada, a operação polui o ar. Ao não cultivar o solo, os agricultores podem economizar entre 30 e 40% de tempo, mão de obra e, na agricultura mecanizada, combustíveis fósseis em comparação com o cultivo convencional.

  • Solos mais saudáveis.Solos sob AC têm capacidades de infiltração de água muito altas, reduzindo significativamente o escoamento superficial e, portanto, a erosão do solo. Isso melhora a qualidade das águas superficiais, reduzindo a poluição causada pela erosão do solo e aprimorando os recursos hídricos subterrâneos. Em muitas áreas foi observado após alguns anos de AC que nascentes naturais que haviam secado há muitos anos, começaram a fluir novamente. O efeito potencial de uma adoção massiva da AC nos balanços hídricos globais ainda não é totalmente reconhecido.

  • Rendimentos aumentados.A agricultura de conservação não é de forma alguma uma agricultura de baixo rendimento e permite rendimentos comparáveis com a agricultura intensiva moderna, mas de forma sustentável. Os rendimentos tendem a aumentar ao longo dos anos com variações de rendimento diminuindo.

  • Custos reduzidos.Para o agricultor, a AC é mais atrativa porque permite a redução dos custos de produção, redução de tempo e mão de obra, principalmente em momentos de pico de demanda como preparo do terreno e plantio e em sistemas mecanizados reduz os custos de investimento e manutenção de máquinas a longo prazo.

bottom of page